Resenha: O Sol Também é uma Estrela – Nicola Yoon

Vamos conhecer um romance bem emocionante, e de quebra ainda, com aquele frescor efusivo e empolgante que é a cara do amor na adolescência?

P_20180127_085012_vHDR_Auto

 

O Sol Também é uma Estrela, da escritora jamaicana Nicola Yoon, vai nos apresentar o dia em que Natasha Kingsley e Daniel Jae Ho Bae se conhecem e se apaixonam.

Natasha é jamaicana, mas mudou-se para os Estados Unidos, com sua família, ilegalmente, quando ainda tinha 8 anos. Ela não acredita em destino e é definitivamente uma garota que se baseia em fatos e na ciência. Daniel, por outro lado, é coreano-americano, nascido nos EUA. Sua família quer que ele seja médico, mas Daniel gostaria mesmo é de ser poeta. E, ainda por cima, ele está convicto de que ter se encontrado com Natasha, é um sinal do destino. Só há um detalhe: nesse mesmo dia em que os dois se conhecem e se apaixonam, Natasha e sua família têm apenas 12 horas até serem deportados para a Jamaica. Como uma mente racional e um coração sonhador enfrentarão o que o Universo realmente lhes reserva?

P_20180127_084722_vHDR_Auto


Embora com enredo bastante previsível, O Sol Também é uma Estrela ocupou o primeiro lugar na lista do The New York Times, e ainda segue muito bem avaliado pelos leitores: com 93% de aprovação entre os usuários do Google, notas 4.3/5 na Amazon e 4.12/5 no GoodReads.

P_20180127_084819_vHDR_Auto

Se o enredo é previsível, por que tanto sucesso?

Na verdade, eu fico até emocionada com o nível não só de aceitação como também de prestígio que esse livro vem recebendo. O romance (este já é o segundo livro de Nicola Yoon) possui uma história cativante, bem água com açúcar, mas que traz principalmente duas questões importantes: racismo e imigrantes ilegais. Levando-se em conta que a história se passa nos EUA, é uma história que trata de forma leve um assunto sério bem contemporâneo. E vem num momento muito oportuno. Um romance certamente necessário. E não é só a questão da imigração ilegal de Natasha e sua família que dá ao livro um tom mais elogiável, mas também o próprio amor inter-racial. Porque, sim, ainda existe preconceito nesse sentido.

O curioso é que a própria Nicola é casada com um descendente de coreano. Pessoas, qualquer semelhança é mera coincidência! ………. Brincadeiras à parte, o romance surgiu sim de experiências pessoais da escritora. Não se pode dizer que seja baseado na história dela, mas mais algo na linha do tem-sempre-um-pouco-do-artista-em-sua-obra.

P_20180127_084911_vHDR_Auto

A verdade é que Yoon é uma grande defensora da diversidade (cultural, racial, de faixa etária…), principalmente da diversidade representada na literatura. Ao escrever O Sol Também é uma Estrela, Nicola teve o cuidado de não estereotipar a cultura da família do marido, pedindo a opinião não só dele, mas também de sua cunhada ao lerem seu manuscrito.

Yoon també integra a We Need Diverse Books, e o  primeiro romance dela, inclusive, Tudo e Todas as Coisas, veio da preocupação com sua filha, fruto exatamente dessa diversidade, e de como ela seria tratada no mundo. O Sol Também é uma Estrela segue essa mesma preocupação com a diversidade na literatura.

Mas não é só essa postura admirável que faz do livro um grande sucesso! A narrativa de Yoon é muito agradável e acessível. Se você quisesse fazer a diferença no mundo, tentaria convencer os mais velhos ou os mais jovens? Exatamente! Por isso a opção por um YA (Young Adult) foi uma escolha acertada. A narração é completamente fragmentada, pois alterna entre os personagens da trama, imprimindo-se dinâmica à história, prendendo o jovem leitor (sempre tão disperso), e tudo isso combina muito com o enredo, já que transmite realmente a sensação de que é possível conhecer as pessoas, suas histórias, seu passado, sua família, e sua personalidade com muito pouco. E é isso que Yoon faz com muita engenhosidade.

Os capítulos do livro também são curtíssimos. E aqui, novamente, isso soma à qualidade da narração, pois o leitor fica ainda com o sentimento de que é possível sim se apaixonar tão rapidamente. Novamente, dinâmica é a palavra-chave aqui!


E por fim, mas não menos importante, uma das coisas que eu mais gosto do livro, de verdade, é o gosto musical de Natasha.

P_20180127_084539_vHDR_Auto

Quem nunca foi jovem e não se sentiu totalmente compreendido diante de uma letra de música, um rap bem feito, um solo de guitarra, um berro do vocalista ou coisas do tipo?

Ao longo do livro são citadas algumas bandas/cantores/canções/álbuns. Vamos dar uma olhada quais são eles?

Playlist de O Sol Também é uma Estrela:

  • Bob Marley: No Woman, No Cry é a música que Peter, irmão de Natasha está ouvindo logo no início do livro, enquanto, se não feliz, como pensa Natasha, ao menos resignado, arruma suas malas para deixar os EUA e ir embora para Jamaica com a sua família. Bob Marley ainda é citado no livro quando Natasha explica o que é o termo rastafári “irie” e em outras passagens mais genéricas do livro.
  • Nirvana: ainda logo no início do livro é feita uma referência ao álbum Nevermind, que ilustra a capinha de celular de Natasha e é um objeto de longa inspeção de Irene, uma guarda que trabalha no prédio do Serviço de Imigração e Cidadania dos Estados Unidos, onde Natasha tem uma entrevista para tentar salvar sua família da deportação. Irene também chega a ouvir o disco três vezes seguidas.
  • Temple of the Dog: disco que também é mencionado por Natasha, num dia de muita revolta, em que toda sua angústia só pode ser perfeitamente expressada pela guitarra barulhenta e a voz inigualável de Chris Cornell. A canção Hunger Strike é explicitamente mencionada alguns capítulos à frente.

A fim de evitar spoilers, vou apenas citar as outras  músicas que aparecem ao longo da história:

  • Massive Attack: Blue Lines
  • N.W.A.: Straight Outta Compton
  • Madonna: Like a Virgin
  • Pearl Jam: Yellow Ledbetter
  • Abba: Take a Chance on Me (um dos momentos mais cômicos do livro)
  • Soundgarden: Fell on Black Days

(Espero não ter esquecido de nenhuma.)

E aí, já ficou com vontade de ler também o romance com uma trilha sonora para acompanhar?


Informações adicionais do livro:

Capa comum: 288 páginas

Editora: Arqueiro (6 de março de 2017)

Título original: The Sun is Also a Star

ISBN-10: 8580416582 – ISBN-13: 978-8580416589

5 comentários Adicione o seu

  1. Monica disse:

    Como sempre, seus posts são fantásticos. 🔝🔝🔝Quero ler o livro. Sou curiosa a respeito das diversidades e os enfrentamentos.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Joni disse:

    Fiquei bem interessado pelo
    Livro , tanto pelo enredo da forma apresentada e pelas trilhas sonoras, todas de bom gosto musical.
    Parabéns por mais este belo Post.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s