o que o sol faz com as flores – rupi kaur

Rupi Kaur é uma escritora e artista que nasceu na índia, e que vive atualmente em Toronto, no Canadá. Começou a desenhar aos 5 anos de idade, por estímulo da mãe e desde então vem expressando seus sentimentos através da arte: poesia, ilustração e fotografias traduzem não apenas seu trabalho, mas sua própria maneira de enxergar a vida.

P_20180318_131227_vHDR_Auto

 

o que o sol faz com as flores é seu segundo livro, que assim como o primeiro, outros jeitos de usar a boca está entre os mais vendidos pelo “The New York Times”. O primeiro, milk and honey, no original, foi lançado em 2014, e aqui no Brasil, publicado em 2017 pela editora Planeta. o que o sol faz com as flores também foi publicado aqui pela editora Planeta, em fevereiro deste ano, 2018.

P_20180318_131137_vHDR_Auto

Esse foi um livro que me chamou a atenção pelas redes sociais. Se você não acredita no poder das mídias sociais, talvez seja bom rever isso. Esse livro esteve presente nas postagens de muitas pessoas no Instagram. Para quem é um usuário recorrente do app, pode até ter topado com ele algumas vezes, no original, principalmente: the sun and her flowers. O fato é que, tanto perfis de bookstagramers, life style ou pessoas comuns, sem um nicho específico de publicação, estavam postando fotos do livro. E foi assim que eu tomei conhecimento dele. Vendo-o frequentemente no Instagram.

P_20180318_131014_vHDR_Auto

Há quem diga, inclusive, que o sucesso de Kaur se deve, entre outros fatores, à essa grande propagação de seus poemas no app. Eu não concordo totalmente. Se é bem verdade que quis saber mais do livro depois de tomar conhecimento de sua existência pelas fotos que vi, o livro tem seu próprio mérito.

Fico feliz que as pessoas, em meio à correria talvez, estejam recorrendo a livros mais rápidos de ler, tal como HQs e de Poemas, mas querendo ler alguma coisa. Não importa, sabe? A leitura é fundamental e deve ser incentivada, em todas as suas formas. E havia uma carência de leitura de livros de poesia, que felizmente parecem estar voltando com tudo!


o que o sol faz com as flores é dividido em 5 partes, em analogia às fases das flores: murchar, cair, enraizar, crescer e florescer. Dentro de cada uma das partes, Kaur nos presenteia com poemas que remetam a essas fases, com temas de amor, perda, feminismo, imigração, traumas, mas também amadurecimento e cura.

P_20180318_131114_vHDR_Auto

Fiquei arrepiada uma porção de vezes durante a leitura dos versos de Kaur. Sua escrita é de uma simplicidade tocante, acessível (o que torna tudo mais belo) e dialoga com o leitor de maneira extraordinária. Kaur não se utiliza de vocativos, mas nem precisaria. Seus poemas são universais, na medida em que tratam de assuntos que mesmo quem nunca os viveu, entende-os e se sentem empáticos em relação a eles. São poemas que dão vontade abraçar o mundo, seja para consolar, seja para dar todo nosso amor.

Kaur sabe ser delicada, mas também sabe ser agressiva, sempre dentro das devidas proporções. Quem lê o livro, entende que ela não quer causar, mas apenas sensibilizar, e  que isso muitas vezes têm resultados melhores. Um poema que gostei muito foi inglês errado. E acredito que é de leitura imprescindível, sobretudo por pessoas cujas famílias são de imigrantes.

P_20180318_131425_vHDR_Auto

Meu irmão está morando nos EUA há alguns anos e me contou certa vez uma situação que me deixou inconformada. Acontece que, por ele ser um imigrante, ele sente muita dificuldade de fazer amizade com os americanos. Eles são ótimos colegas de classe, e tudo o mais. Mas seu relacionamento com eles termina basicamente ali, em sala de aula, no ambiente acadêmico. Há exceções, claro. Mas não foi isso que me deixou inconformada. Isso, infelizmente, eu já imaginava que fosse a realidade mesmo. O que eu não acreditei quando ele me contou foi o fato de alguns colegas dele, americanos, mas filhos de imigrantes, terem um pensamento totalmente distorcido da realidade. Estava seu colega lá desabafando sobre como não gostava dos imigrantes. “Peraí, você sabe que eu sou um imigrante, não sabe? E seus pais também!” – lembrou-lhe meu irmão. E o colega só meio que respondeu desconversando, como se meu irmão e seus pais estivessem em outra categoria. Não! Não estão. É triste, é chocante! E que bom que temos Kaur para dar um sermão – com graça e estilo – a pessoas que pensam como esse colega de classe!

Vou colocar apenas um trecho do poema aqui:

[…]

como é que você ousa debochar da sua mãe

quando ela abre a boca e

fala num inglês errado

não tenha vergonha do fato de

ela ter cruzado países para estar aqui

para você não precisar cruzar uma linha

o sotaque dela é denso como mel

guarde-o para a vida

é a última coisa que ela tem de casa

não pise nessa riqueza

pendure nas paredes do museu

do lado de dali e van gogh

[…] p. 151

Não sei quanto a você, querido leitor, mas toda vez que eu leio esse trecho, lágrimas me vêm aos olhos. Minha mãe pode não ser uma imigrante, mas cruza milhas para poder ver seus filhos. Tenho muito orgulho dela. E imaginar todas essas mães fortes, batalhadoras, que cruzam mares, guerras, culturas, e idiomas para darem o melhor a seus filhos, me enche de uma emoção que por vezes não aguenta, arrebenta e  transborda.


Eu dei 4 estrelas para o livro no goodreads. Gostei muito, de verdade, do livro. Só não ganhou 5 estrelas, porque ainda não li “outros jeitos de usar a boca”, e estou guardando as 5 estrelas para ele. Pelo menos, de tudo o que andei sondando por aí, acredito que será isso que vai acontecer. Posso me enganar, claro. Mas espero que não. De toda forma, quando eu o puder ler, trarei minhas impressões dele aqui para vocês, isso com toda certeza.

As ilustrações de Kaur são lindas. Se pudesse, tatuaria meu corpo com algumas delas. E elas, sem dúvida, emprestam aos poemas um tom artístico a mais. Não seriam necessários, mas Kaur tem isso, de querer sempre dar um pouco mais de si. E é por isso , e tudo o mais que disse, que o livro tem seus méritos.

p_20180318_131308_vhdr_auto.jpg

Não importa que seja pela “modinha”, oras. Leia. Simplesmente leia Rupi Kaur.


Informações adicionais sobre o livro:

Capa comum: 256 páginas

Editora: Planeta; Edição: 1ª (26 de fevereiro de 2018)

ISBN-10: 8542212339 – ISBN-13: 978-8542212334

Título original: The Sun and Her Flowers (Andrews McMeel Publishing  – 2017)

3 comentários Adicione o seu

  1. Monica disse:

    Lindo o post!!!
    Durante a leitura não pude evitar, lágrimas escorreram …
    Houve um momento de identidade, carinho, amor …
    Gratidão por ser mãe …
    Obrigada minha princesa!!!

    Curtido por 1 pessoa

    1. meisauedaoh disse:

      Obrigada por ser minha mamãe ❤️

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s