Nossos Dias Infinitos – Claire Fuller

Nossos Dias Infinitos foi o romance de estreia da autora inglesa Claire Fuller, mas cujo debute, em 2015, lhe rendeu o Desmond Elliot Prize.

P_20191020_094826_vHDR_Auto


Sinopse:

Peggy tem oito anos quando seu pai a leva para viver em uma remota cabana no meio de uma floresta europeia. Lá ele lhe diz que sua mãe e todas as outras pessoas do mundo morreram. Agora eles precisam viver da terra e sobreviver ao rigoroso inverno. Mas até quando a pequena Peggy vai acreditar na história de seu pai? Até quando você pode ficar são, quando o mundo está perdido? O que acontece quando você para de crer em tudo?


Minhas impressões:

A primeira frase impactante do livro é justamente a que vem destacada em sua capa: “Todos os pais mentem. Mas algumas mentiras são maiores do que as outras…”. E, uma vez que a leitura estiver concluída, ela parecerá resumir muito bem a história.

A história, como se vislumbra da breve sinopse, é sobre uma menina cujo pai era um inglês adepto do sobrevivencialismo e a  mãe, uma alemã e famosa pianista.

Peggy, a protagonista, inicia a história em Londres, aos 17 anos de idade, na casa de Ute, sua mãe. A partir de suas lembranças, Peggy nos conta o que lhe aconteceu nos seus últimos 9 anos. A narrativa, portanto, é toda de sua própria perspectiva.

Quando Peggy tinha oito anos, em 1976, ou seja, logo após a crise do Petróleo, em 73, seu pai, James, estava construindo um abrigo no porão da casa, onde a família poderia se refugiar, com mantimentos por um certo tempo. A mãe, Ute, achava tudo uma grande besteira e se recusava a ajudar o marido. Peggy, no entanto, com apenas 8 anos de idade, muito inocente, ajudava o pai nas tarefas que ele lhe pedia. James era um inglês adepto do sobrevivencialismo e a  mãe, uma alemã e famosa pianista.

Um dia, Ute decide partir numa turnê pela Alemanha. Nessa mesmo dia o abrigo antibombas tinha ficado pronto. O pai passa, então, a treinar a filha, com exercícios que a preparassem para uma fuga rápida, que incluíam os preparativos de um kit de sobrevivência para o abrigo. Peggy vai progredindo nos exercícios, ganhando agilidade, e passa a ser até motivo de orgulho para o pai.

Alguns dias após sua partida, Ute liga para casa, e James tem um ataque de fúria após tal ligação, quebrando muitas coisas pela casa e saindo de lá com Peggy para nunca mais voltar.

P_20191020_095023_vHDR_Auto

O livro tem uma narrativa bastante descritiva, principalmente após o abandono da casa de Londres por James e sua filha. Confesso que não sou muito fã de longas descrições, o que até hoje é meu maior empecilho para ler O Senhor dos Anéis, por exemplo. Sinceramente, a leitura de Nossos Dias Infinitos me foi um pouco custosa, mas hoje, é um dos livros que eu mais penso com carinho, daqueles que toda vez que eu lhe faço uma revisita nos pensamentos, mais eu vejo o quanto eu gostei do livro, e fez até com que Claire Fuller viesse a se tornar uma das autoras que mais admiro.

Apesar de toda a dificuldade, tive uma boa recompensa dessa leitura. Por ela ter sido naturalmente mais vagarosa, dada a narrativa que não me atraia muito, houve vários momentos que eu lia uma passagem e imaginava ter visto algo ali nas entrelinhas, mas quando eu voltava e relia o mesmo trecho, aquilo que eu imaginava ter lido, havia sumido, e me deixava pensando “não, acho que foi coisa da minha cabeça mesmo”. Foi uma experiência inigualável nesse sentido.

Terminei o livro arrebatada, muito embora eu o tenha xingado diversas vezes ao longo da leitura, e cuja paráfrase mais educada das minhas palavras proferidas seria algo como “mas essa história é absurda!”. No final, porém, tudo fez muito sentido, e eu achei a narrativa, numa visão geral, simplesmente brilhante. Valeu cada segundo de tédio nas intermináveis descrições. Se pararmos para pensar, o título já nos faz um alerta, nossos dias serão infinitos também ao ler este livro, não só pelas partes maçantes, mas porque é um livro que ficará eternamente em sua memória.


Informações adicionais sobre o livro:

Capa comum: 332 páginas

Editora: Morro Branco; Edição: 1ª (25 de maio de 2018)

ISBN-10: 9788592795023 – ISBN-13: 978-8592795023

Título original: Our Endless Numbered Days

1 comentário Adicione o seu

  1. Monica disse:

    Leituras vagarosas não são meu forte também. Mas, o livro parece interessante!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s