Tipo uma História de Amor – Abdi Nazemian

Sinopse:

“Em 1989, o jovem iraniano Reza se muda para Nova York com a mãe para morar com seu padrasto e o filho dele. Apesar de nunca ter contado para ninguém, Reza sabe há muito tempo que é gay. Porém, tudo que ele vê na televisão sobre a pandemia da aids e a comunidade LGBT reforça seu medo de que sua sexualidade está ligada a algo terrível. Então, o rapaz decide esconder sua verdade para se proteger das possíveis críticas da sua cultura e da sua mãe. Na escola nova, Reza conhece Judy, uma aspirante a estilista que adora criar e usar roupas coloridas. O maior ídolo dela é seu tio Stephen, um homem gay e soropositivo, que perdeu o parceiro para a aids e que usa seu ativismo para trazer atenção à doença. Ela tem certeza de que nunca vai se apaixonar – até conhecer Reza. Os dois iniciam um relacionamento, mas ele não consegue evitar os sentimentos que começa a ter por Art, melhor amigo de Judy. Art é o único garoto assumidamente gay da escola. Ele adora a Madonna, fotografa os protestos da comunidade e participa com orgulho do movimento gay – apesar da desaprovação de seus pais conservadores. À medida que os sentimentos de Reza por Art tomam forma, Reza luta para entender os desafios de assumir quem é sem machucar aqueles à sua volta. Numa jornada emocionante de autodescobrimento e amizade, Tipo uma história de amor é também um fantástico relato sobre a luta da comunidade LGBT e sobre o ato revolucionário de existir em meio ao medo e ao preconceito sem perder a alegria.”


Minhas impressões:

Reza é um garoto iraniano que sai de seu país natal com sua família em 1989, e acaba em Nova York. Ele sabe que é diferente, e como todo jovem, está em busca de pertencimento e identidade. Assim, mesmo antes de começar a frequentar as aulas no novo colégio, Reza sonda o anuário escolar, perscrutando quem são os alunos que encontrará, até que topa com a foto de Judy. Judy se destaca do unissonante mar de alunos, todos tão parecidos. E Bartholomew Emerson Grant VI também. Reza tem certeza que ele é Art, o único garoto que é assumidamente gay no colégio. Então, claro, Art também é diferente. Mas, aos olhos de Reza, tanto Judy quanto Art parecem adolescentes que sabem muito bem quem são, e essa confiança é capturada na foto de ambos e admirada por Reza.

Mas enquanto a admiração pela Judy o faz querer se aproximar da garota, como um porto seguro, a admiração que sente por Art causa nele ao mesmo tempo atração e repulsa, como a eletricidade de uma aventura. Afinal, Reza ainda não se sente capaz de dizer quem realmente é, mas uma coisa ele tem certeza que sente: medo.

Na década de 1990 é autorizado o tratamento da Aids com o AZT nos EUA, que na época era o único disponível. Junto com o governo de Reagan e o conservadorismo da Igreja, porém, além da demora na liberação para o tratamento, ele ainda é inviável aos acometidos pela síndrome por conta do alto custo. Alguns grupos ativistas contestam o posicionamento ideológico do governo e da Igreja que acaba por permitir que tantas mortes continuem ocorrendo em decorrência do vírus, e um deles era o ACT UP. O tio de Judy, Stephen, é um membro da organização, xodó de Judy e verdadeira referência no sentido parental para Art. Stephen é portador de HIV, e já perdeu seu parceiro para a doença.

O medo de Reza, portanto, é legítimo, já que, no fundo, por mais que não aceite, ele sabe que é homossexual. Mas também é um medo derivado da ignorância, como muitos medos são. Reza tem medo da morte. Da morte que persegue o frágil sistema imunológico daqueles que contraem o vírus HIV. Mas no ingênuo imaginário de Reza, qualquer contato, o simples toque, por exemplo, poderia infectá-lo. E Reza, claro, não quer morrer.

No recorte histórico em que a narrativa se passa, o primeiro caso do vírus (reportado em 1981) mal completara uma década, sendo ainda algo recente, e, assim, muito assustador. Se nos dias de hoje a doença continua estigmatizante, imagine à época. Lidar com o preconceito, sobretudo o vinculado à homofobia, não é algo pelo qual Reza pretende passar, mas então Art aparece em sua casa um dia, e a negação do que sente pelo garoto vai ficando cada vez mais difícil de sustentar.

Tipo de uma história de amor, portanto, irá trazer essa difícil fase da adolescência, pelos olhos de três jovens: Reza, Art e Judy, mostrando a aceitação e validação de cada um deles perante a sociedade, sim, mas, principalmente no caso de Reza, perante si mesmos.

Uma homenagem à diva Madonna e o símbolo que ela representou e representa como liberdade a tantas pessoas, o livro reforça a importância dos ícones e ídolos e o papel ativo deles na transformação de tantas vidas, seja pelo caminho da transgressão, seja pelo poder da música (ou da arte) em unir multidões a um mesmo propósito, um mesmo desejo: o de ser livre para amar.


Dados Técnicos do Livro:

Capa comum : 352 páginas
Editora: HarperCollins; 1ª edição (15 setembro 2020)
Autor: Abdi Nazemian
ISBN-10 : 6555110465 – ISBN-13 : 978-6555110463
Título Original: Like a love story
Disponível também em formato e-book.

Adquira o seu exemplar preferencialmente em uma livraria independente ou junto ao site da editora.

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s