Como curar um fanático – Amós Oz

Faz um tempo já que li esse livro, mas quando terminei não estava muito no clima de resenhá-lo. Foi bem nos piores dias de bombardeios na Faixa de Gaza, que feriu centenas de palestinos; um ataque tão violento como não se via há muitos anos. Então o desconforto de vir e falar de um livro que propõe uma solução de dois Estados como uma forma de apaziguar os conflitos entre israelenses e palestinos. Pareceu algo até desrespeitoso de se falar, tamanha a utopia por trás da proposta. Infelizmente, Amós Oz não viveu pra ver uma verdadeira trégua se concretizando, mas talvez, felizmente, também não viveu o suficiente para ver que ela parece estar bem longe de acontecer, como ele esperava. 

O mais influente escritor de Israel foi também cofundador do movimento israelita Paz Agora, e nesse livro ele conta que nem sempre defendeu essa causa, assumindo-se um fanático recuperado da lavagem cerebral sofrida na infância e tendo adquirido um senso de ambivalência das coisas. 

O livro reúne uma palestra, dois ensaios e um artigo, adaptados para a publicação, e uma entrevista. É um livro maravilhoso de se ler. Ficamos encantados com o seu brilhantismo e sua clareza ao expor suas opiniões. Eu grifei tanto o livro que se fosse repassar todas os trechos perigava eu estar apenas copiando e colando do começo ao fim. Mas em essência, alguns “ingredientes” para curar um fanático são: curiosidade e imaginação. Curiosidade para sempre ter o interesse de aprender. Imaginação para se colocar no lugar do outro. Curiosidade para questionar. Imaginação para enxergar narrativas diferentes das que sempre ouvimos. Aprender coisas que não sabíamos e coisas que preferiríamos não saber. Aprender a fazer concessões. 

Só pra terminar, deixo um excerto:

“Acredito que a síndrome de nossa época é a luta universal entre fanáticos, todos os tipos de fanáticos, e o resto de nós. Entre os que creem que seus fins justificam os meios, todos os meios, e o resto de nós que julga que a vida humana é um fim em si mesma. O crescimento do fanatismo pode ter relação com o fato de que quanto mais complexas as questões se tornam, mais as pessoas anseiam por respostas simples. Fanatismo e fundamentalismo muitas vezes têm uma resposta com uma só sentença para todo o sofrimento humano. O fanático acredita que se alguma coisa for ruim, ela deve ser extinta, às vezes junto com seus vizinhos.”

Apenas leiam esse livro. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s