Antologia Poética- Pablo Neruda

Pablo Neruda tem um lugar especial no meu coração, já que eu o conheci um pouco melhor pelos olhos de ninguém menos que Isabel Allende

Que ele foi um grande poeta eu já tinha conhecimento desde a minha infância, que, confesso, infelizmente não foi regada de muita literatura e tampouco de poesia. Isso estou dizendo só para se ter uma dimensão da importância que até então eu lhe atribuía. Mas Allende fala muito do poeta. Fala em seu livro autobiográfico “Paula”, e chegou a inclusive escrever um livro cujo título vem das palavras de Neruda: Longa Pétala de Mar, como chamou sua terra natal, o Chile. 

Pois bem, Pablo Neruda nascido Ricardo Natal Reyes Basoalto, em 12 de julho de 1904. Em 1920 adota o pseudônimo de Pablo Neruda, que somente em 1946 torna-se seu nome legal. Foi Cônsul em diversos países, sendo que em 1939, cônsul em Paris, consegue embarcar muitos refugiados espanhóis para o Chile. Em 1945 recebe o  Prêmio Nacional de Literatura e no mesmo ano filia-se ao Partido Comunista e chega a ser eleito como candidato a presidente por ele em 1969, mas renúncia à candidatura para apoiar Salvador Allende, o candidato único dos partidos populares chilenos. 

Como se pode perceber, a vida do poeta sempre esteve muito ligada à política, e isso transparece também em sua obra. Apesar disso, o que mais gosto de Neruda é sua versatilidade para os mais variados temas. Tudo se transforma em poesia em suas palavras. Há muitos poetas em Neruda, e – como muito bem colocado pelo escritor José Castello, cujo texto estampa as orelhas desta bela edição – sem a necessidade de fazer uso de quaisquer heterônimos. 

Edição bilíngue, conta com prefácio de Jorge Edwards, cuja leitura pode ser feita sem problemas tanto antes quanto após à antologia em si. Já quanto às observações de tradução de Eliane Zagury, recomendo a leitura prévia, já que nelas estão explicitadas as decisões tomadas para a tradução. Toda tradução, costumo dizer, são tomadas de decisões constantes. Assim, é sempre interessante saber alguns pontos de decisão tomados ao se traduzir um texto. Boas traduções seguem uma linha de raciocínio e coesão, e tentam sempre aproximar o leitor o máximo possível do texto original ou do texto tomado como ponto de partida. Quem não tem muito conhecimento da língua espanhola, por exemplo, com as observações da tradutora, pode entender melhor sobre sua fonética e até procurar ler na entoação do original. 

De toda forma, independente da familiaridade da língua espanhola e da cultura chilena pelo leitor, o que fica evidente nesta antologia é o enorme poder de Pablo Neruda de tornar belo mesmo as coisas que não costumamos dar atenção alguma (vide Ode à Cebola). É nessas horas que enxergamos o grande poeta dentro de um homem que poderia discorrer apenas sobre temas sociais, se assim quisesse, já que vivenciou tantas experiências em sua carreira política. Porém, é preciso reconhecer que quem carrega a poesia na alma, qualquer circunstância é digna de se poetizar.

Conhecido como poeta inconstante, Pablo Neruda é, em verdade, o tipo de poeta que agrada a todos, porque em sua vasta obra, com certeza há um poema para cada tipo de leitor. Leia esta Antologia e descubra qual poeta dentro do poeta múltiplo mais converge com você. 


Dados Técnicos do Livro:

Capa comum: ‎ 448 páginas
Editora: ‎ José Olympio; 25ª edição (24 maio 2021)
Autor: Pablo Neruda
Idioma: ‎ Espanhol e Português
ISBN-10: ‎ 6558470101 – ISBN-13: ‎ 978-6558470106
*Exemplar recebido em parceria com o Grupo Editorial Record. Adquira o seu preferencialmente junto ao site da editora.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s